Le Mans | Notícias | USCC

United Sportscar Championship

Wayne Taylor Racing perde pódio em Daytona e devolve convite para Le Mans

por Andrew Remedios, 2 de Fevereiro de 2015 Sem Comentários

© Wayne Taylor Racing

Wayne Taylor Racing penalizado por exceder limite de tempo de condução em Daytona

Cinco dias após as 24 horas de Daytona, a IMSA concluiu a revisão dos tempos de condução dos pilotos e anunciou uma penalização para a Wayne Taylor Racing. Recordamos que Jordan Taylor foi para as boxes nos últimos minutos da prova para ser rendido pelo seu irmão Ricky no Corvette DP #10, já que Jordan estava no limite do tempo de condução permitido, segundo reconheceu a equipa na altura. Os Taylor rodavam então na 2ª posição e, para além de caírem para a 3ª, Ricky foi obrigado a fazer um drive through porque o Corvette DP foi para as boxes quando estas estavam fechadas durante a neutralização. Agora confirmou-se que Jordan excedeu, de facto, o limite de 4 horas de condução num período de 6 horas ao fazer 4 horas e 17 minutos. Consequentemente, equipa foi relegada para o último lugar da categoria (16º) com a obtenção dos pontos atribuídos a essa classificação.

A Wayne Taylor Racing até se pode dar por afortunada, porque em anos anteriores (desde logo em 2014, com a Turner Motorsport na categoria GTD) uma infracção dessas significava, normalmente, uma desqualificação e perda de todos os pontos. A IMSA tinha ao seu dispor várias opções de penalização e optou por uma das mais leves. Será que Beaux Barfield não quis afastar demasiado um dos grandes candidatos da categoria de Protótipos? A ver vamos qual será o efeito desta decisão no final da época. Cada equipa conhece as regras e é sempre arriscado deixar os seus pilotos muito tempo atrás do volante.

Equipas USCC em Le Mans

Depois de demonstrar muito interesse e falar muito da possível participação desde o 'Rugido', a Wayne Taylor Racing anunciou na semana passada que não utilizaria o convite que lhes havia sido atribuído pela IMSA para as 24 horas de Le Mans, em Junho. Falava-se de uma possível parceria com Oreca (Wayne Taylor e Hugues de Chaunac tiveram conversações em Daytona) e com a equipa francesa Larbre Competition, em LMP2, mas os planos ficaram em terra. Para o próprio Wayne Taylor, em declarações à Autosport, “havia demasiadas coisas para afinar num curto espaço de tempo e também não queria muito fazer isto em colaboração com outra equipa. Preferia levar a equipa Wayne Taylor Racing em nome próprio.”

A Scuderia Corsa da categoria GTD foi a outra equipa contemplada com um convite da IMSA, tendo a equipa californiana já anunciado há algumas semanas a sua intenção de participar na prova francesa com um Ferrari F458 Italia na classe GTE AM. Para já estão confirmadas a participação de Townsend Bell e Bill Sweedler. O terceiro piloto deverá ser outro norte-americano.

Para 2016, para além de Wayne Taylor Racing continuar interessada em levar de avante um programa em protótipos LMP2, outra equipa que já demonstrou o seu interesse é a Michael Shank Racing. O investimento num Ligier da Onroak foi o primeiro passo e o próprio já afirmou que uma das razões que o levaram a adquirir o LMP2 foi a ambição de competir em LeMans.