ELMS | Notícias | Portugueses

ELMS / 4H Estoril: Corrida

Sebastian Loeb Racing vence 4 horas do Estoril, Alpine conquista o Ceptro do ELMS

por Pedro Correia, 22 de Outubro de 2014 Um Comentário

© ELMS

Depois de há três anos o Estoril ter recebido a derradeira prova das então nomeadas Le Mans Series, sendo assim palco das últimas conquistas da Pescarolo Team, quer na prova, quer no campeonato, as corridas ao estilo Le Mans regressaram ao Autódromo para o grand finale da edição de 2014 das European Le Mans Series.

Com os campeonatos nas três classes ainda por decidir, somavam-se alguns condimentos extra para apimentar o interesse na prova na figura dos quatro pilotos portugueses participantes. A começar com as reais possibilidades de Filipe Albuquerque se sagrar campeão com a JOTA, passando pela estreia ao volante de um protótipo por parte do vencedor da GT Academy europeia do ano passado, apenas 13 meses após passar do mundo das corridas virtuais para os carros de competição reais, terminando na participação de Filipe Barreiros e Francisco Guedes ao volante do Ferrari F458 GT3, em jeito de consagração pelo título conquistado nas Blancpain Endurance Series.

Treinos Livres

O dia iniciou-se com pista húmida, que viria a secar até final da primeira sessão de treinos livres, acabando por permitir às equipas a realização dos seus programas, acabou por emergir na frente o Oreca 03 Nissan da Murphy Prototypes, graças a uma volta em 1:33.381, realizada pelo brasileiro Pipo Derani. Logo atrás, a pouco mais de meio décimo de segundo vinha o carro da JOTA, com o Ligier da Thiriet By  TDS Racing (vencedores da classe LMP2 na prova de 2011, então com um Oreca 03) em terceiro, já a 4 décimos de segundo. O teenager Matthew McMurry colocou o Zytek de Miguel Faísca em 7º da classe.

Na classe GTE Andrea Bertolini colocou confortavelmente o Ferrari F458 com as cores da SMP Racing à frente da categoria, quase com sete décimos de avanço sobre o Aston Martin Vantage da Gulf Racing e Emmanuel Collard a colocar o Ferrari #70 da AF Corse em terceiro, mas já a mais de segundo e meio do tempo de Bertolini. Nesta classe os homens da SMP Racing eram os únicos com possibilidades matemáticas de alcançar o duo Duncan Cameron e Matt Griffin com o Ferrari ##55 da AF Corse, embora a diferença fosse já de 21 pontos, com apenas 26 ainda em disputa.

Na classe GTC também foram os russos da SMP Racing a liderar a tabela de tempos, com Mika Salo a colocar o carro #57 na liderança da tabela,  dois décimos e meio de segundo à frente do carro idêntico da Formula Racing, o "Dane Train" deste campeonato, os únicos a puderem aspirar "roubar" o campeonato dos homens #73 da SMP Racing, que se ficaram por um discreto 12ª lugar na classe. O Ferrari #63 de Francisco Guedes e Filipe Barreiros classificou-se em oitavo a pouco mais de dois segundos do tempo de Mika Salo.

De referir que esta sessão acabou por dar muito que fazer ao Colégio de Comissários já que os metros que antecedem a zona de entrada em vigor do limite de velocidade nas boxes serem em descida, provavelmente associados a ainda haver alguma humidade nesta parte da pista, levaram a diversos excessos de velocidade, alguns por larga margem, sendo que nestes casos, além da inevitável multa, também viram os tempos dos pilotos infractores anulados, com o recordista a ser o italiano Piergiuseppe Perazzini com um excesso de 27 km/h(!). Também a Kessel Racing viu todos os tempos da sessão anulados porque o F450 GTE da equipa suíça tinha elásticos ligados às alças dos cintos de segurança, que são permitidas noutros campeonatos e facilitam no momento de trocar os pilotos, mas não são permitidas pelo regulamento do ELMS.

Da parte da tarde foi o Ligier da Thiriet by TDS Racing a emergir na frente graças a uma volta de Tristan Gommendy, mas novamente com o Zytek da JOTA muito perto, a pouco mais de três centésimos e o Oreca da Murphy em terceiro a meio segundo, repetindo-se os três primeiros do primeiro treino livre, apenas invertendo posições entre o Ligier e o Oreca. Numa sessão em que os tempos foram sensivelmente dois segundos mais rápidos que na primeira sessão, o líder do campeonato, o Alpine A450b quedou-se pela quarta posição, já a oito décimos de segundo. No carro de Miguel Faísca, foi novamente o americano Matthew McMurry o mais rápido, colocando o carro em nono da classe, apenas à frente do Morgan da Pegasus, mas o piloto luso foi apenas três décimos de segundo mais lento, mostrando uma excelente adaptação à nova montada.

Na classe GTE, mais uma vez Andrea Bertolini colocou o Ferrari com as cores russas na liderança, mas desta vez com menos de três centésimos de segundo de diferença para o Aston Martin Vantage pilotado por Stuart Hall, com Soheil Ayari a colocar o carro da Sofrev-ASP, onde milita o mediático Fabien Barthez, no terceiro lugar da classe, mas já quase a um segundo do tempo do italiano. Nesta classe destaque pela negativa para o Porsche 997 RSR #67  Imsa Performance Matmut, que Erik Maris "estacionou" na escapatória da Parabólica obrigando à interrupção da sessão quando faltavam cerca de 20 minutos para o final, para que se removesse com segurança o carro.

Na classe GTC emergiram os Ferrari #71 e #73 da SMP Racing na liderança da tabela de tempos, depois de terem se quedado pelos dois últimos lugares na primeira sessão, com o BMW Z4 do Team Russia By Barewell pilotado por Jonathan Cocker a ficar em terceiro, a cerca de meio segundo, evitando assim um 1-2-3 da SMP Racing, já que o #57, que tinha liderado a primeira sessão ficou-se pelo quarto lugar. Será no entanto caso para dizer 1-2-3-4 para os carros fortemente financiados pelos russos. O Ferrari "português" subiu um lugar em relação à manhã para 7º lugar.

Qualificação

Com os protótipos e GT a realizarem sessões de qualificação separadas, quem abriu as hostilidades foram os homens dos GTE e GTC, perante um belo dia de sol no Estoril.cCompetindo em simultâneo, os primeiros a liderar a tabela de tempos foram mesmo os GTC, com alguns GTE a elegerem aguardar alguns minutos as tentativas de marcarem uma volta rápida.

Nos GTC acabou por ser o Ferrari F458 #71 pilotado por Luca Persiani a conquistar a pole position, com menos de um décimo de vantagem sobre o McLaren Mp4/12C de Kevin Korjus. Logo atrás classificaram-se o Porsche 997 GT3-R da Prospeed, pilotado por Maxime Soulet e o BMW Z4 da Marc VDS Racing, em estreia no ELMS, a ficar-se pelo quarto posto, graças a uma volta do veterano Bas Leinders, fazendo quatro carros diferentes nos quatro primeiros lugares, encaixados em 0,351 segundos. Nos aspirantes ao título, os líderes do campeonato no #73 da SMP Racing classificaram-se em sétimo, dois lugares atrás dos dinamarqueses da Formula Racing, aspirantes a arrebatarem a primeira posição. O Ferrari #63 classificou-se em 12º com o tempo realizado por Filipe Barreiros, depois deste ter entrado para o volante do carro, melhorando os tempos realizados inicialmente por Mats Rasmussen.

Nos GTE, depois da ameaça no segundo treino livre, Stuart Hall acabou mesmo por arrebatar a pole position para o Aston Martin com a decoração mítica da Gulf Oils, seguido do Ferrari F458 da JMW Motorsport (também eles com a vitória nos GTE Pro na corrida de 2011 a defender) a menos de um décimo de segundo, graças ao tempo de Daniel Zampieri seguidos dos líderes do campeonato em terceiro, com Matt Griffin a colocar o Ferrari #55 logo atrás, imediatamente à frente dos homens da SMP Racing, classificados em quarto, os únicos a puderem aspirar estragar a festa dos homens da AF Corse, mas com uma missão espinhosa, pois estavam agora os mesmos 21 pontos atrás, com apenas 25 pontos em disputa. Depois de não ter terminado da melhor forma o treino livre, foi também uma qualificação problemática a da IMSA Performance Matmut, principalmente para o #67, já que não conseguiu rodar em tempos competitivos, classificando claramente em último lugar, a mais de nove segundos do tempo de Stuart Hall e a mais de sete segundos e meio do penúltimo, o outro Porsche da equipa francesa, este versão 2012, onde pontificavam duas curiosidades, a dinamarquesa Christina Nielsen, a única piloto feminina presente e o francês Raymond Narac que participava simultâneamente neste fim de semana no Algarve Classic Festival, com um Porsche 911 3.0 RSR na prova Classic Endurance Racing.

O Ferrari #70 da AF Corse não marcou qualquer tempo na qualificação devido a problemas de direcção, mas foi autorizado a participar na corrida, do último lugar da grelha, com base nos tempos competitivos marcados nas sessões de treinos livres.

Finda a sessão para os GT, deu-se início à sessão para os LMP2 e, depois de uns instantes iniciais em que os carros da Pegasus e da Murphy Prototypes passaram pela liderança, Harry Tincknell tratou de tirar veleidades aos seus adversários, batendo o melhor tempo até então, autoria de Pipo Derani, por mais de um segundo, tempo que melhoraria na volta seguinte em mais de quatro décimos. Entretanto sucedeu-se a interrupção da sessão, devido a uma saída na Parabólica para o protótipo da Race Performance, que foi rapidamente retirado e regressou às boxes pelos próprios meios. Reatada a sessão, os homens da JOTA optaram por nem sequer defender a pole position, acreditando que dificilmente o tempo poderia ser melhorado, assistindo da boxe às tentativas dos adversários directos. Quem mais se aproximou foi Tristan Gommendy no Ligier da Thiriet by TDS, mas a uns distantes sete décimos de segundo, com os grandes rivais na luta pelo título, os homens do Alpine a quedarem-se pela terceira posição, mas já a 1,3 segundos do tempo do Zytek, graças a um tempo de Nelson Panciatici. O tempo de Pipo Derani logo no início da sessão deu o quarto lugar da grelha ao Oreca da Murphy Prototypes. No Zytek #41 partilhado por Miguel Faísca, Matthew McMurry foi encarregue de qualificar o carro, o que fez em décimo e último dos protótipos, a mais de 3 segundos do carro idêntico da JOTA.

corrida

Às 13h30 teve início a corrida sob a atenção dos vários milhares de espectadores que compuseram muito bem a Bancada A e o terraço sobre as boxes. Filipe Albuquerque foi o responsável pelo arranque no Zytek da JOTA, a partir da pole, com Pierre Thiriet ao seu lado no Ligier, enquanto no Alpine, da terceira posição, quem fazia a partida era Nelson Panciatici. Logo na primeira volta Nelson Panciatici assumiu a segunda posição, relegando o Ligier para a terceira, resultado que não interessava nada às hostes portuguesas. Entretanto na frente Filipe Albuquerque forçava o ritmo, construindo uma ligeira vantagem sobre o seu mais directo rival, chegando aos 4,6 segundos à sétima volta, altura em que ocorreu o primeiro golpe de teatro.

Os líderes do campeonato GTE, o Ferrari #55 de Cameron/Griffin/Rugolo e a quem bastaria um oitavo lugar para garantir o título, depois de um arranque cauteloso por parte de Duncan Cameron, envolveu-se num toque com o McLaren #99 de Karim Ajlani, com os dois carros a regressarem lentamente às boxes para reparações, com o McLaren a regressar à pista após demoradas reparações para desistir definitivamente com menos de hora e meia de corrida. O Ferrari perdeu cerca de 10 minutos em reparações, mas acabaria por mais tarde parar novamente mais quase 23 minutos para mais reparações, ficando irremediavelmente atrasado e com as contas do campeonato subitamente muito complicadas, ficando dependente de problemas noutros carros da classe, que apresentava doze concorrentes à partida, para garantir o título, independentemente do resultado do carro idêntico da SMP Racing. A única boa notícia é que a classe estava a ser dominada nestes instantes iniciais pelo Aston Martin e o Porsche 991 da Gulf Racing e o F458 da JMW Motorsport, com o Ferrari russo em posições bastante discretas.

Com a dobragem aos mais rápidos GTE, Nelson Panciatici arriscou bastante, conseguindo anular a diferença para Filipe Albuquerque, mais cauteloso, entrando assim na 16ª volta o Alpine colado ao Zytek, situação que o piloto português tratou de corrigir mal teve pista livre pela frente, situação que não mais se viria a inverter, mesmo com novo ciclo de dobragens, somando 11 segundos de vantagem quando o Alpine parou à 28ª volta, com o piloto "amador" do Alpine, Paul-Loup Chatin a entrar para o volante. O Zytek da JOTA pararia duas voltas depois, também com o piloto "amador" Simon Dolan a substituir o piloto português e regressando à pista em terceiro, à frente dos rivais da Alpine e apenas atrás dos carros da Race Performance e Thiriet by TDS, que ainda não tinham parado.

À 32ª volta o primeiro contratempo para a JOTA, com o Zytek a envolver-se com um GT durante uma dobragem a obrigar a um pião, anulando os 13 segundos de avanço para o Alpine conquistados pelo excelente trabalho de Filipe Albuquerque e um trabalho de boxes mais rápido, iniciando a 33ª volta com o Alpine nos calcanhares, com Paul-Loup Chatin a consumar a ultrapassagem à 34ª volta, começando a afastar-se e com os homens da JOTA a terem que começar a estar atentos aos carros da Newblood by Morand e Thiriet by TDS Racing, especialmente os homens do Ligier, já que tinha entrado para o volante o único piloto categorizado como "profissional" Tristan Gommendy, que estava a recuperar a olhos vistos tempo aos três primeiros, ultrapassando o carro da Newblood by Morand à 43ª volta para o terceiro lugar e apenas duas voltas depois ultrapassou o Zytek para o segundo lugar. Apesar do lugar perdido, não seriam necessariamente más notícias para a JOTA, pois mesmo vencendo a corrida, ainda necessitariam de adversários rápidos para se intrometerem na classificação entre o Zytek e o Alpine e ainda havia o trunfo Harry Tincknell para o final.

À 58ª volta deu-se mesmo a ascensão do Ligier à liderança da corrida, enquanto no terceiro lugar Simon Dolan respirava um pouco melhor, depois de uma aproximação do Morgan da Newblood by Morand, o Zytek voltava a distanciar-se ligeiramente graças a uma boa fase de dobragens. Entretanto iniciou-se o segundo ciclo de paragens, com o Alpine a parar à 60ª volta, seguido pelo Ligier à 61ª volta, com Tristan Gommendy a dar o lugar a Ludovi Badey, mas logo a deixar as boxes, a saída de fumo da traseira do Ligier não augurava nada de bom, o que se confirmou logo na volta seguinte, com Ludovic Badey a trazer o carro para as boxes onde foi detectada uma insolúvel fuga de óleo que ditou o abandono do protótipo coupe.

Com o carro da JOTA a parar à 63ª volta, regressou à pista com cerca de 18 segundos de atraso para o Alpine líder, mas não estava mais na segunda posição, pois o Oreca da Sebastian Loeb Racing, a fazer uma prova extremamente regular, optou por não trocar de pneus na sua segunda paragem, superando assim o Zytek de Simon Dolan e colocando-se apenas uma dúzia de segundos do Alpine.

Com metade da prova decorrida, liderava o Alpine com 15 segundos de avanço para o Oreca da Sebastian Loeb Racing e 20 segundos e meio para o Zyetk da JOTA. Em quarto, a quase 1m15s seguia o carro da Race Performance, que tinha cumprido um Stop and Go logo no início da corrida, por não usar à partida pelo menos três dos quatro pneus marcados para o efeito, ou seja, os usados na qualificação, certamente devido à saída de pista que sofreram na mesma, sendo seguidos de perto pelo Morgan-Judd da Newblood by Morand, que também foi obrigado a uma paragem suplementar, logo após Gary Hirsch assumir o volante, para reapertar o cinto de segurança. Em quinto, mas já a uma volta, estava o Zytek da Greaves com Miguel Faísca a estrear-se em corrida à 63ª volta e precisando de apenas 4 voltas ao circuito para estabelecer a melhor volta do #41 até então na corrida.

Nos GTE o pesadelo de Cameron/Griffin continuava, sem conseguirem ganhar lugares, viam os rivais da SMP paulatinamente a subir na classificação até quinto, embora ainda longe dos primeiros, mas com a arma Andrea Bertolini reservada para o final. Continuava a liderar o Aston Martin da Gulf, seguido dos Ferrari da JMW e da Soprev-ASP e do Porsche também da Gulf.

Nos GTC liderava o Ferrari #71 da SMP Racing, seguido do BMW Z4 da Marc VDS Racing, que já tinha passado bastante tempo na liderança, seguidos pelo Porsche da Prospeed.

Enquanto isso, na frente, o Alpine começava a alargar a vantagem para o Oreca da Sebastian Loeb Racing, que começava a enfrentar as consequências de ter mantido os pneus na última paragem nas boxes, não conseguindo sequer ganhar vantagem a Simon Dolan no Zytek. Entretanto, à 84ª volta novo contratempo para a JOTA com um problema num pneu que perdeu parte da borracha de piso, deixando a carcaça parcialmente à vista, provocando uma saída de pista que implicou a perda de cerca de 1m10s e obrigando à paragem para troca do jogo de pneus, fez o #38 cair para sexto a quase duas voltas do Alpine que continuava a liderar, embora com menos uma paragem para fazer até final, isto depois do Alpine na volta anterior ter cumprido um Stop and Go por terem intervido mais que dois mecânicos ao mesmo tempo na troca de pneus da paragem anterior.

À 89ª volta foi a vez do Alpine fazer a sua paragem programada nas boxes, o que deixava o carro da Sebastian Loeb Racing, que já tinha parado a apenas 9 segundos da liderança, com o carro da Race Performance em terceiro a mais de um minuto, seguido do carro da JOTA, que entretanto reentrou na volta dos líderes com a paragem do Alpine, seguido pelo Zytek da Greaves pilotado por Miguel Faísca, que vinha a realizar uma prestação a todos os níveis excelente, fazendo uma grande recuperação, sendo seguido de perto pelo Morgan da Newblood by Morand.

Entramos então numa fase da corrida em que os homens da Alpine atacavam novamente para aumentar a vantagem sobre o segundo classificado e o carro da Newblood by Morand acertava a mira para o Zytek da JOTA, já que Miguel Faísca tinha cumprido nova paragem nas boxes. À 103ª volta o Alpine dobrava em pista o carro da JOTA, ficando apenas os Oreca da Sebastian Loeb Racing e da Race Performance na volta do líder. Só que então as coisas complicaram-se de sobremaneira para a Alpine já que na paragem nas boxes realizada à 89ª volta, Paul-Loup Chatin fez patinar ostensivamente as rodas traseiras do carro, algo proibido pelo regulamento, pois é considerada uma manobra perigosa quando realizada no pit lane, o que valeu uma penalização de Stop and Go com 3 minutos de imobilização, que foi cumprida 112ª volta e atirou o carro francês para sexto, a mais de uma volta do novo líder, o regularíssimo Oreca da Sebastian Loeb Racing. No entanto, com o carro da JOTA em terceiro lugar, este resultado seria suficiente para os homens da Alpine se sagrarem campeões por dois pontos.

À 116ª volta os novos líderes pararam e, pela segunda vez na corrida, elegeram não trocar de pneus, o que lhes valeu saírem marginalmente na frente do carro da Newblood by Morand que se tinha desembaraçado do carro da JOTA à 104ª volta, mas ainda necessitando de parar uma vez até final. Com o carro mais leve o Morgan, agora com o rapidíssimo Christian Klien ao volante,  não teve dificuldade em desembaraçar-se do Oreca e assumiu rapidamente a liderança, que manteve até parar pela última vez à 121ª volta. Já antes disso, à 118ª volta, Simon Dolan tinha dado lugar a Harry Tincknell no Zytek da JOTA e o jovem inglês estava completamente ao ataque, pois necessitava do segundo lugar para ultrapassar o Alpine nas contas do campeonato, que entretanto lutava com o Zytek da Greaves pelo quinto lugar depois da espectacular prestação de Miguel Faísca ao volante do #41, o que significaria que só a vitória interessaria à JOTA. Neste capítulo a tarefa do Alpine ficou facilitada pois um melhor tempo parcial realizado por Miguel Faísca sob situação de bandeiras amarelas implicou um Stop and Go que decidiu o quinto lugar a favor dos líderes do campeonato. Na frente, se os homens da JOTA tentavam alcançar o Morgan da Newblood by Morand, Christian Klien apontava baterias ao distante líder, mas com pneus bastante usados, começando a ganhar bastante tempo ao carro da Sebastian Loeb Racing, enquanto minimizava as perdas para Harry Tincknell.

No final, o forcing de Christian Klein não foi suficiente, com o Oreca 03 - Nissan da Sebastian Loeb Racing a vencer com mais de meio minuto de avanço, seguidos do Morgan-Judd da Newblood by Morand, com o Zytek da JOTA em terceiro, 8 segundos mais atrás. Em quarto ficou o Oreca-Judd da Race Performance, já a uma volta, 43 segundos na frente do Alpine-Nissan, com revalidou assim o título de 2013, seguindo-se o Oreca-Nissan da Murphy Prototypes, onde o excelente andamento de Pipo Derani, autor da volta mais rápida da corrida, não foi acompanhado pelos companheiros de equipa, ficando ainda assim na frente do #41 da Greaves em que o fraco andamento no final de James Fletcher, ajudado pelo Stop and Go, anulou parte do magnífico trabalho realizado na fase intermédia da corrida por Miguel Faísca, que foi o piloto mais rápido do carro, apesar do menos experiente. Em oitavo ficou o Morgan da Pegasus, com alguns pequenos problemas a perderem cerca de duas voltas nas boxes e mais algum tempo com alguns erros dos pilotos em pista, ficando a cinco voltas dos vencedores. Problemas para o outro carro da Greaves, principalmente os vividos na fase terminal da corrida, significaram que o carro não viu a bandeirada de xadrez, não ficando classificado.

Nos GTE a táctica da SMP Racing de reservar Andrea Bertolini para o final, somado à táctica inversa da Gulf, deixando o "patrão" Roald Goethe para o final, destruindo o excelente trabalho realizado por Daniel Brown e Stuart Hall no Aston Martin e Michael Wainwright na fase final no Porsche levou a que o Ferrari "russo" alcançasse o objectivo necessário, a vitória na classe, assumindo a liderança a 23 voltas do fim, para não mais a largar, o que, juntando ao infortúnio de Cameron/Griffin/Rugolo, incapazes de recuperar mais que um lugar, com o abandono do carro da Sofrev-ASP, acabou entregando o título a Andrea Bertolini, Viktor Shaitar e Sergey Zlobin.  o Ferrari #54 de Perazzini/Cioci/Lyons com uma prova regular terminou em segundo, já a uma volta, seguido pelo carro idêntico da JMW com McKenzie/Richardson/Zampieri, deixando fora do pódio ambos os carros da Gulf Racing UK, lugares onde se mantiveram durante grande parte da corrida, tendo mesmo o Aston Martin liderado 96 das 139 voltas, mas acabando mesmo relegado para o quinto lugar pelo Porsche 991, depois do pobre desempenho final de Roald Goethe.

Nos GTC vitória calma dos estreantes Marc VDS, equipa com pergaminhos no Blancpain Endurance Series e no VLN, extremamente consistentes, ainda lutaram durante parte da corrida com o Ferrari #71 da SMP Racing, mas alguns problemas com o Ferrari a obrigarem a duas paragens não programadas na hora final de corrida decidiram definitivamente a corrida a favor do BMW. Nos lugares imediatos classificaram-se o "dane train" da Formula Racing com os dinamarqueses Magnussen/Laursen/Mac, resultado insuficiente para destronarem a tripla Beretta/Ladygin(Anton)/Markozov, que se classificaram logo atrás, conquistando o título da classe.  O Ferrari #71 de Persiani/Ladygin(Kirill)/Basov ficou-se então pelo quarto lugar, na frente do McLaren sobrevivente de Korjus/Demoustier/Gaudy. O Ferrari #63 dos portugueses Filipe Barreiros e Francisco Guedes, depois de perder três voltas nas boxes logo no início da corrida devido a um problema de caixa de velocidades, realizou uma prova consistente, até atendendo a tratar-se de uma tripla sem qualquer piloto profissional, ao contrário dos seus rivais onde podíamos encontrar pilotos do calibre de Mika Salo, Olivier Beretta, Bas Leinders, Kevin Korjus ou Jan Magnussen, acabou por minimizar o tempo perdido para os melhores durante o resto da prova, terminando em oitavo da classe, resultado que poderia ter-se situado facilmente três lugares acima, não fosse o atraso inicial.

ELMS / 4H Estoril: Resultado Final

P.ºCl.N.EquipaChassis - MotorVltDif.P.ºCl.
1.ºLMP224Sebastien Loeb RacingOreca 03 Nissan146(4h00:27.461s)[ 1.º ]
2.ºLMP243Newblood by Morand RacingMorgan Judd146+35.399s[ 2.º ]
3.ºLMP238Jota Sport [ Albuquerque ]Zytek Z11SN Nissan146+43.713 s[ 3.º ]
4.ºLMP234Race PerformanceOreca 03 Judd145-1 volta[ 4.º ]
5.ºLMP236Signatech AlpineAlpine A450 Nissan145-1 volta[ 5.º ]
6.ºLMP248Murphy PrototypesOreca 03 Nissan144-2 voltas[ 6.º ]
7.ºLMP241Greaves Motorsport [ Faisca ]Zytek Z11SN Nissan144-2 voltas[ 7.º ]
8.ºLMP229Pegasus RacingMorgan Nissan141-5 voltas[ 8.º ]
9.ºGTE72SMP RacingFerrari 458 Italia139-7 voltas[ 1.º ]
10.ºGTE54AF CorseFerrari 458 Italia138-8 voltas[ 2.º ]
11.ºGTE66JMW MotorsportFerrari 458 Italia138-8 voltas[ 3.º ]
12.ºGTE86Gulf Racing UKPorsche 911 RSR138-8 voltas[ 4.º ]
13.ºGTE85Gulf Racing UKAston Martin Vantage V8138-8 voltas[ 5.º ]
14.ºGTE56AT RacingFerrari 458 Italia138-8 voltas[ 6.º ]
15.ºGTC87BMW Sport Trophy Marc VDS BMW Z4 GT3137-9 voltas[ 1.º ]
16.ºGTC60Formula RacingFerrari 458 Italia GT3136-10 voltas[ 2.º ]
17.ºGTE80Kessel RacingFerrari 458 Italia136-10 voltas[ 5.º ]
18.ºGTC73SMP Racing Ferrari 458 Italia GT3136-10 voltas[ 3.º ]
19.ºGTC71SMP Racing Ferrari 458 Italia GT3136-10 voltas[ 4.º ]
20.ºGTE70AF CorseFerrari 458 Italia136-10 voltas[ 6.º ]
21.ºGTE76IMSA Performance MatmutPorsche 911 GT3 RSR135-11 voltas[ 7.º ]
22.ºGTC98ART Grand PrixMcLaren MP4-12C GT3134-12 voltas[ 5.º ]
23.ºGTC78Team Russia by BarwellBMW Z4 GT3134-12 voltas[ 6.º ]
24.ºGTC95AF CorseFerrari 458 Italia GT3133-13 voltas[ 7.º ]
25.ºGTE67IMSA Performance MatmutPorsche 911 GT3 RSR133-13 voltas[ 8.º ]
26.ºGTC63AF Corse [ Barreiros / Guedes ]Ferrari 458 Italia GT3132-14 voltas[ 8.º ]
27.ºGTC92Team OmbraFerrari 458 Italia GT3131-15 voltas[ 9.º ]
28.ºGTC59Team Sofrev-ASPFerrari 458 Italia GT3131-15 voltas[ 10.º ]
29.ºGTC57SMP RacingFerrari 458 Italia GT3127-19 voltas[ 11.º ]
30.ºGTE55AF CorseFerrari 458 Italia116-30 voltas[ 9.º ]
Não Classificados
LMP228Greaves MotorsportZytek Z11SN Nissan135
GTE58Team Sofrev-ASPFerrari 458 Italia116
GTC75Prospeed CompetitionPorsche 911 (991) GT3 R91
LMP246Thiriet by TDS RacingLigier JS P2 Nissan62
GTC99ART Grand PrixMcLaren MP4-12C GT323

Tratou-se de uma excelente jornada de conclusão de um campeonato muito competitivo, que conheceu cinco vencedores diferentes em outras tantas corridas e com muito drama nesta corrida final, com toques, piões, furos e penalizações até, a influenciarem a decisão do campeonato. Com o Estoril confirmado para 2015 receber novamente a season finale do campeonato, aguardamos nova jornada plena de emoções daqui a um ano e que o público volte a marcar presença em grande número.

© ELMS

© ELMS