Notícias | Portugueses | USCC

USCC / Mosport: Corrida

João Barbosa foi 4º no dia em que a OAK vingou a derrota no Glen

por Andrew Remedios, 14 de Julho de 2014 Sem Comentários

© Brian Cleary / Action Express Racing

A OAK Racing dominou a corrida e conquistou a sua primeira vitória na United Sportcar Championship, vingando a derrota em Watkins Glen, numa prova sem neutralizações, onde João Barbosa ficou arredado da luta pela vitória muito cedo e a Corvette Racing venceu pela quarta vez consecutiva com a dupla Jan Magnussen / António Garcia.

© IMSA

© IMSA

PROTÓTIPOS: BARBOSA 4º COM A OAK RACING A VENCER PELA PRIMEIRA VEZ

Após o azar nas últimas voltas das 6 horas de Watkins Glen, a OAK Racing conseguiu mostrar finalmente o seu potencial com uma corrida, e fim-de-semana, dominante. Duas semanas atrás a OAK Racing perdeu a vitória devido a uma neutralização nos momentos finais da corrida mas desta vez, na pista de Mosport Park (agora denominada Canadian Tire Motorsport Park) no Canadá, Gustavo Yacaman e Olivier Plá (este último de regresso à equipa) e a equipa francesa não deram hipóteses numa prova sem neutralizações. Desde os treinos livres que o Morgan-Nissan #42 mostrava superioridade sobre a concorrência, garantindo a Pole Position para a corrida ao lado de outro LMP2, o HPD ARX-03b #1 da Extreme Speed Motorsports, nas mãos do escocês Ryan Dalziel.

O arranque da corrida foi, como sempre, mais favorável para os Daytona Prototypes, com o Corvette DP #90 da Spirit of Daytona conduzido por Michael Valiante a ultrapassar Scott Sharp no HPD #1 logo na primeira curva. O facto de os LMP2 terem ocupado a primeira fila permitiu que Yacaman segurasse a primeira posição, posição que tanto o colombiano como depois o francês Plá não cederam até ao final da prova. As aventuras foram todas atrás deles.

Os primeiros a ficarem sem hipóteses de vitória foram o Corvette DP #31 da Marsh Racing, o DeltaWing #0 e o Riley-Ford EcoBoost #01 da Chip Ganassi Racing, ainda antes da corrida se iniciar. O Corvette DP da Marsh e o DeltaWing sofreram acidentes violentos nos treinos livres e ambos ficaram de fora, com Boris Said a ficar ligeiramente tocado após o acidente do Corvette DP e o DeltaWing teve um pequeno incêndio após a ruptura da linha de combustível. No caso da Chip Ganassi, um erro de Memo Rojas numa das voltas de aquecimento antes da corrida numa pista ainda um pouco húmida danificaram bastante o chassis Riley e tanto ele como Scott Pruett só conseguiram sair das boxes mais de uma hora depois do início da corrida para garantirem alguns pontos no campeonato, onde já estão bastante afastados dos da frente.

© Action Express Racing

© Action Express Racing

Nos primeiros 30 minutos da prova dois Corvette DP sofreram pequenos revês. Primeiro Ricky Taylor saiu de pista no Corvette DP #10 da Wayne Taylor Racing e foi obrigado a parar mais cedo nas boxes para trocar de pneus e limpar o radiador que estava cheia de relva. Por seu lado, Christian Fittipaldi, que tinha arrancado em 5º lugar no Corvette DP #5 da Action Express Racing, equipa de João Barbosa, sofreu um toque de um Porsche e furou o pneu traseiro direito logo na última curva após a entrada das boxes. O brasileiro foi obrigado a fazer uma volta inteira com 3 pneus e perdeu uma volta para os líderes.

Sem neutralizações, a recuperação foi impossível e a dupla luso-brasileiro teve que se contentar com um 4º lugar final fruto de alguns percalços dos seus adversários. Como explicou o próprio Barbosa em declarações exclusivas para a Le Mans Portugal, “nesta pista não havia muito a fazer. A corrida ficou comprometida quando o Fittipaldi levou um toque de um GT que provocou um furo. Infelizmente foi na ultima curva da pista, pelo que ele teve que fazer toda a volta com o pneu traseiro furado e perdemos muito tempo. A partir daí a única hipótese seria uma bandeira amarela, que nunca veio a acontecer e foi impossível recuperar o tempo perdido para os primeiros lugares.” Relativamente ao campeonato, o piloto portuense acrescentou que “o campeonato continua completamente aberto mas temos que conseguir melhorar os resultados e recuperar os 5 pontos que temos de desvantagem para o carro #10.” Barbosa e Fittipaldi ficaram a 5 pontos dos irmãos Taylor após esta corrida.

A uma hora do fim, a 10 segundos do líder Oak Racing, Ryan Dalziel no HPD #1 da ESM pressionava muito o terceiro classificado Jordan Taylor no Corvette DP #10, mostrando que os LMP2 estavam no seu auge nesta pista, mas o escocês Dalziel foi obrigado a vir para as boxes com um problema que acabou por ditar o abandono para o conjunto da Extreme Speed. Depois do #2 da equipa ter ficado de fora pouco tempo antes, agora foi a vez do carro principal fruto de um tubo de escape partido. O próprio Ryan Dalziel adiantou que “em termos de velocidade nós estávamos bem. Penso que seria muito difícil ultrapassar o #10 em pista, mas acreditava que as nossas paragens nas boxes eram melhores, como se viu na ultrapassagem do #90. Tudo parecia alinhada. E mesmo não sabendo se conseguia alcançar o #42 da OAK, um sólido segundo lugar, ou em pior caso, seríamos terceiros. Estou muito decepcionado. Eu saí da curva 5 e comecei a sentir uma perda de potência. Foi um dia complicado para ambos os carros. Tínhamos tanto potencial e não conseguimos alcançar os resultados.”

Embora Jordan Taylor ficasse livre de um adversário, nos últimos 40 minutos outro apareceu, Richard Westbrook no Corvette DP #90. Depois de um bom início de prova de Michael Valiante em casa, uma troca de pilotos menos conseguida atirou o britânico Westbrook para trás na classificação. Mas a rapidez demonstrada em Watkins Glen voltou a mostrar-se no Canadá e Westbrook, a 20 minutos do fim, ultrapassou o #10. Com uma desvantagem de mais de 20 segundos, parecia difícil chegar a Plá no Morgan #42 mas tudo tentou Westbrook, conseguindo diminuir a vantagem até aos 8 segundos no fim.

Para o chefe de equipa da OAK Racing, Philippe Dumas, “foi uma grande vitória para a equipa. Estou muito contente por Gustavo Yacaman e Olivier Plá. Não foi fácil, mas foi um fim-de-semana perfeito. Não é uma pequena vitória para chegar ao pódio, mas uma grande, grande vitória para toda a equipa. Agora vamos continuar a lutar pelo campeonato durante o resto da época.” Para o francês Olivier Pla, “foi uma corrida perfeita do princípio ao fim. O carro estava fantástico e a estratégia também. A equipa tem estado a fazer um trabalho fantástico para entender o carro e os pneus. Eu não poderia estar mais contente por ter vencido a corrida. Gustavo fez um trabalho formidável no início da corrida para manter a vantagem sobre os nossos adversários.”

Para o canadiano Michael Valiante, a correr em casa no Corvette DP #90 da Spirit of Daytona, “fez um turno duplo, o que foi bom. Tivemos um pequeno problema com as mudanças no início por isso tive que abrandar um pouco o ritmo e perdemos algum tempo inclusivamente uma posição na altura. Depois disso estabeleci um bom ritmo.” Quanto à paragem nas boxes e o resto da prova, Valiante adianta que “algo aconteceu com os cintos na mudança para Richard e perdemos por volta de 15 segundos. Não sei se teríamos conseguido desafiar o #42 porque eles tinham tanta velocidade. No geral, mais um excelente fim-de-semana e bom para o campeonato.”

Finalmente, Jordan Taylor, o terceiro classificado no Corvette DP #10 da Wayne Taylor Racing, “foi um dia difícil. Estávamos fora da estratégia desde o início e, basicamente, foi um ritmo constante desde a bandeira verde. É uma pista fisicamente exigente, especialmente quando o carro é difícil de conduzir. Estivemos a lutar durante toda a corrida e, infelizmente, não tínhamos velocidade para vencer a corrida mas salvamos bons pontos para o campeonato.”

© IMSA

© IMSA

GTLM: QUARTA VITÓRIA CONSECUTIVA PARA MAGNUSSEN E GARCIA EM CORVETTE

Quando tudo parecia encaminhar-se para uma possível vitória em casa de Kuno Wittmer e o SRT Viper GTS-R #93 da SRT Motorsports, um erro do canadiano ao fim de uma hora de corrida, entregou a liderança a Jan Magnussen no Corvette C7.R #3 da Corvette Racing. Tudo tinha começado bem para o canadiano, que garantiu a Pole Position e liderou durante a primeira hora mesmo com forte pressão por parte do dinamarquês da Corvette. Mas um erro quando um BMW saía das boxes, fez com que Kuno saísse para a relva. Logo a seguir todos os GTLM pararam nas boxes, com António Garcia a manter a liderança no Corvette #3 com uma vantagem de 4 segundos.

O espanhol foi aumentando a vantagem para os 7 segundos mas perto do fim e, fruto de muita confusão com o tráfego, nomeadamente quando Garcia ultrapassava a luta pelo 6º lugar da categoria entre um BMW, dois Porsche e os companheiros de equipa do #4, Jonathan Bomarito no Viper #93 diminuiu a vantagem para apenas um segundo e meio a 15 minutos do fim mas foi sol de pouca dura. O próprio Bomarito também ficou preso algum tempo atrás desse grupo e Garcia acabou por vencer com uma vantagem confortável de mais de 10 segundos.

Para o espanhol António Garcia, “não sei como conseguimos, mas acabamos por vencer quase sempre em Mosport. Tanto este ano como o ano passado, as corridas foram muito renhidas entre nós e os Viper. Durante o primeiro turno de Jan, eles estavam taco a taco. Durante o segundo turno, eu saí com uma pequena liderança – quase 3 segundos. A maior vantagem que tive foi de 8 segundos. O tráfego tornou tudo muito difícil. Antes da corrida eu esperava algumas neutralizações e esperava que isso pouparia um pouco os pneus no fim. Mas tudo correu perfeitamente. A equipa fez um trabalho perfeito em todos os aspectos.”

Já para o homem de casa, Kuno Wittmer no Viper #93 da SRT Motorsports, “penso que tivemos um bom carro. Fiz um bom arranque e lutei com o Corvette #3 que era bastante rápido nas mãos de Jan Magnussen e conseguimos aguentá-lo. No entanto, quando o BMW #56 saiu das boxes com pneus frios mesmo a minha frente e tentei ultrapassá-lo, fui empurrado por ele para fora da pista. Compreendo que ele queria manter a posição e eu iria parar de qualquer forma. Foi uma má decisão da parte dele e, infelizmente, sofremos com isso. No fim da corrida, Jonathan Bomarito estava muito bom mas foi muito difícil por causa do tráfego. Tínhamos velocidade mas o tráfego não jogou a nosso favor. Apesar disso, penso que alcançamos um bom resultado – segundo e terceiro lugares é muito bom. Mais um duplo pódio para manter a onda de bons resultados.”

Como referiu Wittmer, SRT Motorsports ficou em segundo e terceiro lugares. Foi uma corrida de trás para a frente para o Viper #91, com um bom primeiro turno de Dominik Farnbacher, que arrancou em 7º e depois de ter caído para 8º subiu até 3º lugar antes da troca de pilotos aos 45 minutos de prova. Para além de uma condução quase perfeita e muitas ultrapassagens, Dominik também beneficiou do infortúnio de Tommy Milner no Corvette #4. O norte-americano levou um toque de um Ferrari da categoria GTD e saiu de pista. Perdeu muito tempo e caiu 4 lugares na classificação e com uma corrida toda verde, não havia tempo para recuperar tempo perdido.

Tanto os BMW como os Porsche estavam um passo atrás em termos de velocidade mas o BMW Z4 GTE #56 da BMW Team RLL da dupla John Edwards/Dirk Müller e o Porsche 911 GT3 RSR #911 da Porsche North America da dupla Richard Lietz/Nick Tandy lutaram muito e alcançaram excelente resultados com 4º e 5º respectivamente. Com ainda mais razões de queixa estava a Risi Competizione com um Ferrari 458 Italia claramente muito atrás da concorrência. Depois de 6 anos com resultados entre os dois primeiros, incluindo três vitórias, Giancarlo Fisichella e Pierre Kaffer terminaram em último lugar da categoria a duas voltas do vencedor. As actualizações realizadas por Michelotto antes das 24 horas de Le Mans na aerodinâmica do Ferrari ainda não foram aprovadas pela IMSA e a Risi continua a discutir o assunto com a IMSA.

Na categoria GT Daytona, Jeroen Bleekemolen no Dodge Viper SRT da Riley Motorsports ultrapassou Kevin Estre no Porsche 911 GT America da Park Place Motorsports a duas voltas do fim para passar à liderança da corrida e dar à Viper a sua primeira vitória na categoria. Foi a oitava alteração na frente ao longo da prova com os dois carros a ficarem separados por apenas 1 segundo no fim.

A USCC regressa daqui a duas semanas para a prova de Indianapolis, o Brickyard Grand Prix, com todas as categorias em pista.

USCC / Mosport: Corrida

P.ºCl.N.EquipaChassis / MotorVLTTempoP.ºCl.
1.ºP42OAK RacingMorgan Nissan133( 2h45:32.479s)[ 1.º ]
2.ºP90Spirit Of DaytonaCorvette DP133+7.886s[ 2.º ]
3.ºP10Wayne Taylor RacingCorvette DP133+20.943s[ 3.º ]
4.ºP5Action Express Racing [ Barbosa ]Corvette DP133+1:10.730s[ 4.º ]
5.ºP60Michael Shank RacingRiley Ford131- 2 voltas[ 5.º ]
6.ºGTLM3Corvette RacingCorvette C7.R127- 6 voltas[ 1.º ]
7.ºGTLM93SRT MotorsportsSRT Viper GTS-R127- 6 voltas[ 2.º ]
8.ºP07SpeedSourceMazda SKYACTIV-D127- 6 voltas[ 6.º ]
9.ºGTLM91SRT MotorsportsSRT Viper GTS-R127- 6 voltas[ 3.º ]
10.ºGTLM56BMW Team RLLBMW Z4 GTE126- 7 voltas[ 4.º ]
11.ºGTLM911Porsche North AmericaPorsche 911 GT3 RSR126- 7 voltas[ 5.º ]
12.ºGTLM55BMW Team RLLBMW Z4 GTE126- 7 voltas[ 6.º ]
13.ºGTLM4Corvette RacingCorvette C7.R126- 7 voltas[ 7.º ]
14.ºGTLM17Team Falken TirePorsche 911 RSR126- 7 voltas[ 8.º ]
15.ºGTLM912Porsche North AmericaPorsche 911 GT3 RSR126- 7 voltas[ 9.º ]
16.ºGTLM62Risi CompetizioneFerrari F458 Italia125- 8 voltas[ 10.º ]
17.ºGTD33Riley MotorsportsSRT Viper GT3-R121- 12 voltas[ 1.º ]
18.ºGTD73Park Place MotorsportsPorsche GT America121- 12 voltas[ 2.º ]
19.ºGTD94Turner MotorsportBMW Z4120- 13 voltas[ 3.º ]
20.ºGTD81GB AutosportPorsche GT America120- 13 voltas[ 4.º ]
21.ºGTD22Alex Job RacingPorsche GT America120- 13 voltas[ 5.º ]
22.ºGTD23Team Seattle/Alex Job RacingPorsche GT America120- 13 voltas[ 6.º ]
23.ºGTD58Snow RacingPorsche GT America120- 13 voltas[ 7.º ]
24.ºGTD48Paul Miller RacingAudi R8 LMS119- 14 voltas[ 8.º ]
25.ºGTD44Magnus RacingPorsche GT America119- 14 voltas[ 9.º ]
26.ºGTD45Flying Lizard MotorsportsAudi R8 LMS119- 14 voltas[ 10.º ]
27.ºGTD27Dempsey RacingPorsche GT America119- 14 voltas[ 11.º ]
28.ºGTD007TRG-AMRAston Martin V12 Vantage118- 15 voltas[ 12.º ]
29.ºGTD555AIM Autosport Ferrari 458 Italia118- 15 voltas[ 13.º ]
30.ºGTD35Flying Lizard MotorsportsAudi R8 LMS118- 15 voltas[ 14.º ]
31.ºGTD18Muehlner Motorsports AmericaPorsche GT America117- 16 voltas[ 15.º ]
32.ºGTD46Fall-Line MotorsportsAudi R8 LMS117- 16 voltas[ 16.º ]
33.ºP2Extreme Speed MotorsportsHPD ARX-03b92- 41 voltas[ 11.º ]
34.ºP1Extreme Speed MotorsportsHPD ARX-03b86- 47 voltas[ 7.º ]
35.ºP01Chip Ganassi RacingRiley Ford46- 87 voltas[ 8.º ]
36.ºGTD63Scuderia CorsaFerrari 458 Italia44- 89 voltas[ 12.º ]
37.ºP70SpeedSourceMazda SKYACTIV-D23- 110 voltas[ 9.º ]
Não Alinharam
38.ºP0DeltaWing Racing CarsDeltaWing DWC13
39.ºP31Marsh RacingCorvette DP
40.ºGTD19Muehlner Motorsports AmericaPorsche GT America

Fontes (declarações): Comunicados de imprensa da OAK Racing, Extreme Speed Motorsports, Spirit of Daytona, Wayne Taylor Racing, Corvette Racing e SRT Motorsports