Le Mans | Notícias | USCC

United SportsCar Championship

Convergência DP/LMP2 dá origem à… LMP2?

por Hugo Ribeiro, 13 de Julho de 2014 Sem Comentários

©ESM

Em entrevista ao site norte-americano roadandtrack.com, Scott Elkins, Director Técnico do USCC, afirmou que os planos para a nova plataforma única para a classe de protótipos seguem a bom ritmo e o resultado final será... muito similar ao HPD ARX-04 LMP2 anunciado este ano!

Após a absorção do ALMS por parte do Grand-Am (com a aquisição da IMSA por parte da NASCAR), que resultou no United SportsCar Championship (USCC, ou TUSCC se quiserem juntar a inicial do patrocinador), a IMSA ficou com um problema que ainda hoje está longe de parecer resolvido: equilibrar os artesanais Daytona Prototypes com os high-tech LMP2. O problema, dê por onde der, ter um fim esperado para 2017 quando um novo regulamento técnico der origem a um novo protótipo.

Embora a NASCAR nunca foi grande adepta de Le Mans e dos conceitos desportivos (na memória de muitos estará ainda a famosa expressão de Bill France "esses carros maricas franceses" referindo-se aos LMP2), o negócio fala mais alto e várias equipas não querem perder a hipótese e utilizar o mesmo carro na competição nacional americana, e eventualmente ir a Le Mans (embora nos últimos 10 anos, contam-se pelos dedos de uma mão o número de equipas americanas a competir em Le Mans na classe LMP2). Ou, a parta fica escancara às equipas europeias virem às 24 Horas de Daytona ou outras provas do USCC.

Por outro lado, o ACO nunca foi particularmente aberto à vinda dos DP a Le Mans, e mesmo após a absorção do ALMS por parte do Grand-Am — e pese embora muitos rumores no sentido contrário — a opinião manteve-se inalterada: DP em Le Mans.... não! Sendo o mercado americano importante, não só para o ACO como principalmente para os construtores independentes europeus, como o actual regulamento LMP2 estava já previsto ser revisto no final de 2015, toca a meter mãos à obra, engolir alguns orgulhos, e pensar numa plataforma comum, que permite com poucas alterações, colocar o mesmo chassis a competir no USCC, no ELMS, no WEC ou em Le Mans.

© IMSA

© IMSA

Do lado americano, a ideia é simples: manter os baixos custos de manutenção dos DP com os chassis de carbono dos LMP2. “Essas são as duas principais áreas em que nos queremos focar,” afirmou Elkins ao roadandtrack.com. “tanto nos custos operacionais e inicial do carro, de forma a tentar manter tudo em linha, e assim tornar isto mais interessante para os construtores e para as equipas.” E resultado final, não andará na verdade longe do HPD ARX-04 LMP2 que foi apresentado este ano, ou de qualquer outro projecto LMP2 já revelado para os próximos anos. A verdade é que os custos operacionais entre os DP e os LMP2 não são assim tão dispares como parecem, pelo que o resultado é obvio: A mistura entre o melhor do mundo DP e o melhor do mundo LMP2 já existe, e chama-se LMP2.

A grande diferença, se o caminho seguido for bastante vincado nesse aspecto, é a tentativa de manter a classe com elementos próximos dos carros de produção dos construtores, caso estes se envolvam como o caso da Corvette nos DP, mas poderá não chegar a tanto. “Queremos também ter alguma identidade da marca que ajude os construtores a identificarem-se com um protótipo, não muito longe da forma como o Corvette DP se encontra no USCC,” rematou Elkins.

Tudo isto não anda muito longe do esperado, embora reconhecemos alguma surpresa na forma como a IMSA/NASCAR está a deixar cair os DP. resta também saber qual o nível de convergência entre a futura classe P e os LMP2 em 2017. A nossa aposta vai para uma convergência total com o regulamento ACO, excepto no que toca a motores.

Fonte: Roadandtrack.com