AsLMS | ELMS | Notícias

European Le Mans Series

ACO levanta um pouco mais do véu sobre a classe LMP3

por Hugo Ribeiro, 10 de Agosto de 2014 Sem Comentários

© ACO

Aos poucos o Automobile Club d'Ouest (ACO) vai divulgando alguns pormenores extra sobre a nova classe LMP3. Aproveitando o facto de as jornadas ELMS de Red Bull Ring e do AsLMS de Inje terem lugar no mesmo fim-de-semana, o ACO decidiu fazer a apresentação oficial da classe. Mas, para além do que já se sabia, pouco mais foi acrescentado.

No passado mês de Julho, o ACO fez o lançamento oficial da classe LMP3 aproveitando o facto do European Le Mans Series (ELMS) e Asian Le Mans Series (AsLMS) terem provas no mesmo fim-de-semana. Ambos os campeonatos irão aceitar já em 2015 inscrições nesta nova classe (o USCC só deverá avaliar a nova classe no final da temporada de 2016) que inicialmente se previa viesse a partilhar a mesma plataforma que a classe FIA CN, ideia entretanto abandonada.

A ideia por trás da criação desta nova classe já era conhecida: criar um degrau de acesso à LMP1 (e ainda antes, à LMP2) que permita não só desenvolver pilotos, como também equipas. Um percurso que, até hoje, tem passado quase inevitavelmente pelas competições GT, já que classe LMPC (PC nos EUA) nunca conseguiu estabelecer-se como essa mesma plataforma de iniciação, e, apesar do enorme sucesso obtido nos EUA, na Europa teve enormes dificuldades em impor-se. Inevitavelmente, o ACO e a LMEM, a organizadora do ELMS e o WEC, optaram por abandonar o velhinho Courage LC75 transformado em Oreca FLM09, apostando numa nova classe que traga variedade de chassis, embora mantenham o princípio de um motor único.

E construtores a lançarem-se nesta nova classe não faltam. O que falta são confirmações claras e concretas de que há equipas de facto interessadas, e que esses mesmos chassis entretanto divulgados se materializem. Onroak Automotive, SORA (numa curiosa parceria com a Sebastian Loeb Racing), Riley, Norma e, mais recentemente,a Juno (ou Ginetta-Juno, dado que esta foi recentemente adquirida pela Ginetta Cars Ltd) já demonstraram interesse em construir chassis para este novo regulamento. A Oreca, que chegou a apresentar um possível LMP3 (ou seria um CN coupe musculado?), não surge mais como potencial construtor envolvido, possivelmente dado ter agora o exclusivo da construção, desenvolvimento e comercialização dos motores. Tatuus e Wolf são outros dois dos construtores referenciados como potenciais interessados.

Os chassis serão de carbono, excepto a parte que sustenta o tejadilho, que será em forma de rollcage, tudo construido em respeito dos mais elevados standards FIA. As dimensões do carro serão próximas dos actuais protótipos, com os LMP3 a terem a mesma largura, mas a serem 15cm mais curtos. As asas traseiras serão mais pequenas, o carro terá uma asa dorsal (shark's fin), aberturas nos arcos sobre as rodas, e estas serão idênticas às usadas na Porsche Super Cup. O peso final será entre os 870 e 0s 900kg.

© ACO

© ACO

Quanto ao motor, embora o ACO tenha confirmado que a classe continuará a usar um V8, este não deverá ser o Chevrolet 6.2l que equipa os FLM. A Oreca, entretanto indicada como parceira exclusiva no que toca aos motores, confirmou que haverá um construtor envolvido no desenvolvimento do motor, e embora não haja qualquer confirmação oficial, tudo indica tratar-se da Nissan. Pormenores, só mesmo que se tratará de um motor aspirado e que debitará cerca de 420cv, e que toda a gestão electrónica será providenciada pela Magneti Marelli. As equipas apenas poderão utilizar um motor por carro por temporada, e este terá de cumprir 10 mil km sem manutenção. O ACO pretende que, em termos de performance, os novos LMP3 sejam dois segundos mais rápidos que os carros da classe GTE.

A parte mais importante desta classe será mesmo a questão dos custos controlados. Usando a mesma filosofia que tem norteado parte do sucesso dos LMP2 nos últimos anos, os novos LMP3 terão também um regulamento que limitará os custos ao cliente final. Assim, os novos chassis não deverão ultrapassar os 195 mil euros (135 mil euros pelo chassis e 60 mil euros pelo motor), enquanto a estimativa para uma temporada completa no ELMS passará por valores entre os 350 e os 400 mil euros, o que será pouco mais do que o necessário para uma temporada com um CN coupe no VdeV. Outra forma de manter os custos controlados será através da imposição regulamentar de diversos componentes comuns, que serão divulgados em tempo oportuno.

© ACO

© ACO

Pierre Fillon, Presidente do Automobile Club de l'Ouest: “Partindo da base até o topo, queremos tornar mais fácil para pilotos, equipas e construtores a entrada na resistência. Para os pilotos, estamos a promover um curso de formação específico começando com corridas de endurance para karts — com as 24 Horas de Le Mans de Karts — até as 24 horas de Le Mans para carros. Alguns dos mais recentes vencedores do evento começaram nos circuitos de Le Mans. Para as equipas, o que estava a faltar era um carro rápido e seguro, de baixo custo, para ajudá-los a aprender a disciplina e subir os degraus da escada, um por um. Este LMP3 é a base da nossa pirâmide dedicada aos diferentes LMPs.”

Vincent Beaumesnil, Director Desportivo do Automobile Club de l'Ouest: “Decidimos criar o LMP3 para continuar a escada da resistência. Este novo protótipo, que tem uma semelhança familiar com os diferentes LMPs, vai ser muito competitivo, fiável e seguro e será vendido a preços razoáveis, com baixos custos operacionais. Achamos que o orçamento anual para uma temporada no ELMS será apenas cerca de 20% mais elevada do que a de um CN fechado, com um perfil de produto melhor posicionado. Pensámos tudo de modo a que as restrições para pilotos e equipas fossem reduzidas ao mínimo. Os regulamentos desportivos que regem os LMP3 nos campeonatos em que irão competir também vai ser adaptado às limitações económicas, sem, no entanto, diminuir o desempenho, a segurança e a qualidade do espectáculo na pista.”

Gérard Neveu, Director-Geral do European Le Mans Series: “A criação da classe LMP3 é uma grande notícia e vai ser um grande trunfo no European Le Mans Series, um campeonato que é capaz de fornecer, a pilotos e equipas que desejam competir em provas de resistência de alto nível, um excelente ambiente de treino. Os sport-protótipos são a própria essência da resistência e esta categoria de nível de entrada permitirá que novas equipas promovam novos talentos no ELMS. Nós estamos encantados por receber os participantes nesta nova classe no nosso campeonato em 2015.”

Mark Thomas, Director-Geral do Asian Le Mans Series: “Para o Asian Le Mans Series, o lançamento da classe LMP3 é um passo extremamente positivo para o desenvolvimento das corridas de protótipos tipo Le Mans na Ásia. Numa região em desenvolvimento, há uma demanda óbvia para um protótipo de nível de entrada, económico, que possa permitir que equipas e pilotos dêem o primeiro passo em corridas de endurance. Nós já começámos nessa direcção no AsLMS 2014, com a adição dos protótipos CN na nossa grelha. No entanto, o LMP3 irá fornecer uma solução a longo prazo, que nos permitirá introduzir um carro apropriadamente homologado pelo ACO, e estamos convencidos de que esta é uma plataforma que será bem recebida na Ásia. Acreditamos que temos o portefólio de carros que podem complementar o emergente AsLMS, assim como apoiar a pirâmide global Le Mans que permitirá ao automobilismo de resistência crescer na região.”

Fonte: Comunicado de Imprensa do ACO