Notícias | WEC

WEC / 6H Silverstone

6 Horas de Silverstone WEC — Antevisão das estratégias de corrida

por Pedro Correia, 12 de Abril de 2015 Sem Comentários

© FIA WEC

Após longos cento e trinta e dois dias, o Campeonato do Mundo de Endurance está de regresso, mais uma vez no circuito britânico de Silverstone, que acolhe pelo terceiro ano consecutivo, a prova inaugural do calendário.

Com o anúncio do adiamento da estreia do Nissan GT-R LM Nismo apenas para Le Mans, que caiu qual balde de água fria nos adeptos do endurance, as atenções viram-se para os renovados Toyota, Porsche e especialmente Audi, isto no que se refere aos LMP1. Já na LMP2 há várias novidades, com as estreias do Dome S103 e do Oreca 05, enquanto se aguarda a estreia também do BR-01, já que o HPD ARX-04 sofreu também uma falsa partida, adiando a estreia para 2016.

E logo nos primeiros treinos livres foi possível observar o salto competitivo de um ano de evolução dos carros segundo o regulamento estreado no ano passado. Se, em 2014 o melhor tempo absoluto registado foi de 1:42.477, pelo Mr. Le Mans Tom Kristensen, Benoit Tréluyer já realizou 1:41.526 no segundo treino livre, sendo este tempo realizado no meio de uma série de 28 voltas, uma simulação de stint por parte do Audi #1.

Analisados os melhores tempos dos LMP1 oficiais, observamos que em quatro deles os tempos foram realizados na série longa de voltas realizada, com as excepções a serem o Toyota #2 e o Porsche #18. Calculamos também os tempos de volta ideais da sessão, ou seja, os tempos formados pela soma dos melhores tempos de cada carro em cada um dos três sectores da pista. Este exercício é altamente especulativo, pois uma diferença de vários décimos entre o melhor tempo de um sector e o tempo realizado na volta mais rápida não significa que haja mais tempo a ganhar no global da volta, já que o mais provável é que se explique que uma distribuição diferente da utilização da energia regenerada pelos sistemas de regeneração de energia dos carros.

Toyota #1 Toyota #2 Audi #7 Audi #8 Porsche #17 Porsche #18
Melhor tempo 1:43.569 1:42.833 1:41.526 1:41.824 1:42.046 1:42.641
Tempo teórico 1:43.227 1:41.972 1:41.017 1:41.436 1:41.561 1:42.315
Média da Série 1:45.376 1:45.276 1:43.273 1:43.421 1:43.532 1:44.401
Série 28 voltas 29 voltas 28 voltas 29 voltas 26 voltas 27 voltas

Calculadas as médias das voltas do turno, com excepção das voltas de entrada e saída das boxes, além de duas voltas ao Audi #8 e aos dois Porsche por terem sido influenciadas por neutralizações parciais da pista, as médias realizadas confirmam o que a classificação do treino traduz, com os Audi bastante fortes mas destaque também para o Porsche #17, bastante consistente, perdeu pouco mais de dois décimos de segundo por volta, em média, para o melhor dos Audi. As médias destes três carros foram mais rápidas que o melhor tempo absoluto realizado pelo Toyota #1, sendo que os nipónicos têm mantido uma prestação discreta, mas em que diversas voltas em 1:47 e 1:48 ao longo das séries se destacam, o que não acontece com os rivais.

Nas simulações de turno, tanto o Toyota #2 como o Audi #8 realizaram 29 voltas, enquanto os Porsche se ficaram pelas 26 e 27 voltas. No entanto, com a passagem dos Porsche para a classe de 8 MJ, estes terão menos combustível alocado por volta, pelo que deverão ser capazes de realizar o mesmo número de voltas por turno que a Toyota ou até estenderem a série por mais uma volta.

Carro Toyota Porsche Audi
Classe LMP1-H 6MJ LMP1-H 6MJ LMP1-H 2MJ
Capacidade do Depósito 68,5  litros 68,5  litros 54,3  litros
Energia máxima por volta 66,9  MJ/volta 66,2  MJ/volta 64,7  MJ/volta
Combustível máximo por volta 2,24  litros/volta 2,21  litros/volta 1,84  litros/volta
Voltas por stint 30  voltas 30  voltas 29  voltas

Assim, os Audi deverão ficar-se pelas 29 voltas que o Audi #8 realizou no treino livre. Pelo lado da Toyota, apesar das 30 voltas serem teoricamente possíveis, deverá ficar-se pelas 29 voltas por stint, tal como fez o Toyota #8 no treino livre, o que já será um ganho de 1 volta em relação às realizadas em situação normal de corrida em 2014. Já a Porsche, em 2014 conseguiu realizar um stint em integralmente em ritmo de corrida de 30 voltas, deverá manter a mesma bitola, apesar de ter uma alocação de combustível por volta ligeiramente menor para a mesma capacidade do depósito. De facto, em termos teóricos os 919 ficam a apenas 150 mililitros de conseguir fazer 31 voltas por série.

Turno 28 voltas 29 voltas 30 voltas 31 voltas
1 27 28 29 30
2 55 57 59 61
3 83 86 89 92
4 111 115 119 123
5 139 144 149 154
6 167 173 179 185
7 195 202 24 18
8 8 1 - -

No entanto, e estimando um horizonte de 203 voltas de corrida, em condições normais, sem chuva ou intervenções do Safety Car, é visível que não há vantagens evidentes em estender os stints por mais uma volta, das 30 voltas para as 31 voltas, já que serão necessárias, de qualquer modo, as mesmas 6 paragens nas boxes.

A corrida terá lugar este Domingo, pelas 12 horas (GMT) e terá transmissão integral no canal Motors TV com a Eurosport Internacional a transmitir a última hora da prova partir das 17 horas.