ELMS | Notícias | Portugueses

ELMS / 4H Silverstone: Rescaldo

4 Horas de Silverstone ELMS: Rescaldo

por Hugo Ribeiro, 27 de Abril de 2014 Sem Comentários

© Daniel James Smith / Motorsport.com

O European Le Mans Series (ELMS) arrancou no passado fim-de-semana em Silverstone, Reino Unido. Com a atenção portuguesa focada na presença do piloto português Filipe Albuquerque, o passado sábado foi um verdadeiro balde de água fria. Depois de um excelente arranque de Albuquerque que colocou a Jota Sport na liderança destacada, um pequeno erro de Simon Dolan na última volta do seu turno triplo acabaria por ser fatal às aspirações da equipa, do jovem piloto português e de todos os fãs que já viam a vitória na sua estreia como quase certa. As corridas de resistência são assim mesmo... tudo é "quase" até à bandeira de xadrez.

O ELMS arrancou este Sábado com a primeira jornada de um total de cinco. Trinta e oito carros — ou trinta e sete, porque um dos Ferrari GTC da SMP Racing não alinharia na prova —coloriram um dia bem diferente daquele que esperaria os fãs no Domingo para a prova do Mundial de Resistência e proporcionaram excelentes momentos de emotividade. Quem esperava ver uma boa prova, pautada pelo equilíbrio e com o final em aberto até à última volta, não saiu defraudado — não foi uma prova dramática, apesar de alguns momentos mais quentes, mas foi uma excelente forma de dar início ao que é por direito próprio o Campeonato Europeu de Resistência. Mesmo que oficialmente não o seja...

Para nós, portugueses (ou pelo menos para aqueles que apoiam sempre o "produto" lusitano), a atenção estava inteiramente focada na estreia do piloto Filipe Albuquerque ao volante do Zytek Z11SN Nissan #38 da Jota Sport, antes da muito aguardada estreia em competição no Audi R18 etron quattro nas 6 Horas de Spa em Maio. Piloto oficial da Audi, Albuquerque irá fazer toda a temporada ELMS com a Jota Sport, sendo um dos claros favoritos à vitória no campeonato.

© ELMS

© ELMS

LMP2: TDS Racing vence nos momentos finais

Mas, para confirmar esse mesmo favoritismo, é preciso mostrar em pista, e nas provas de resistência isso não depende inteiramente de si. Depois de ter sido o 9º piloto mais rápido nos treinos livres (1:53.111), Albuquerque assistiu de fora à sessão de qualificação onde o seu colega na equipa Jota Sport, Harry Tincknell, realizou a pole position com 1:47.702 numa sessão onde os tempos baixaram 2 segundos em relação aos treinos livres.

Para a corrida, Albuquerque ficou com a responsabilidade de realizar o primeiro turno, antes da entrada do gentleman-driver e dono da equipa Simon Dolan, ficando Tincknell para o fim, para a estocada final. No começo da prova, Albuquerque rapidamente colocou em pista um ritmo forte e foi-se literalmente embora. Rodolfo Gonzalez, ao volante do Oreca Nissan #48 da Murphy Prototypes, foi tentando fazer o seu melhor para não perder o Zytek de vista, mas ainda antes da meia hora de prova acabaria por ter de cumprir um stop&go por não ter mantido a sua posição (3º) na partida lançada. Mais tarde, um furo acabaria por retirar qualquer hipóteses da equipa de Greg Murphy lutar por um pódio dado que perderiam 6 voltas para reparar o carro danificado pelo rebentamento do pneu.

“Penso que o meu primeiro stint não foi muito mau, pois estávamos a perseguir o líder,” afirmou Rodolfo Gonzalez, piloto da Murphy Prototypes. “Infelizmente, houve alguma confusão no arranque e acabei por ter uma penalização por stop&go, o que foi uma grande surpresa. Após esta, tínhamos de seguir em frente e reduzir a distância. Regressamos à pista na P9 e subimos até à P4 exercendo pressão ao 3º lugar, mas foi então que o pneu da frente explodiu ao chegar a Copse. Foi uma enorme frustração. Acabamos por sofrer ainda danos na carroçaria porque a delaminação do pneu foi muito violenta, pelo que tivemos de reparar o carro.”

Com a Murphy atrasada, e a Jota Sport e Albuquerque ficaram com o caminho ainda mais livre antes da entrega do volante a Dolan ao fim de 44 minutos, com mais de 20 segundos de vantagem sobre James Littlejohn no Zytek Nissan #28 da Greaves Motorsport. Com Dolan ao volante, a frente da corrida foi assumida por Littlejohn durante o primeiro turno deste, mas após nova sessão de paragens a Jota assumia de novo o comando. Dolan mostrava-se rápido e consistente nos tempos por volta, e a Jota levava já mais de meio minuto de vantagem repondo o domínio exercido por Albuquerque na primeira fase da prova. Mas Dolan acabaria por deitar tudo a perder.

Já naquela que seria a sua última volta, na curva que antecede a recta do Hangar, Dolan tenta ultrapassar o líder da classe GTE. Com os GTE a terem sensivelmente a mesma velocidade de ponta em recta que um LMP2, a ultrapassagem antes da recta do Hangar era uma forma de evitar que a Jota perdesse preciosos segundos, numa altura em Franck Mailleux, no Oreca Judd #24 da Race Performance havia reduzido a distância para os 3 segundos. Dolan tenta passar então o Ferrari 458 Italia #55 de Michele Rugolo por fora, mas o piloto italiano — descrevendo a trajectória normal, e totalmente incapaz de fazer outra coisa pelas leis da física — acaba por atirar Dolan para fora da pista. O gentleman-driver britânico ainda segurou o Zytek na relva, mas mal regressou ao asfalto saiu disparado de encontro a um muro de betão, pouco antes (felizmente) do maciço que suporta uma ponte sobre a recta do Hangar.

O choque de frente, violento, acabaria não só com quaisquer hipóteses da Jota vir a vencer a prova, como acabaria com a corrida da equipa inglesa... e com Zytek, cuja monocoque ficou afectada e terá de ser reparada. Dolan também não se livrou de algumas escoriações e alguns pontos num braço, e respectiva passagem pelo Hospital do circuito. “Estou desolado — especialmente pelo Filipe, pelo Harry e pela equipa Jota — todos trabalharam tanto...” afirmou Simon Dolan no final da prova. “O Zytek estava fantástico, permitindo-me fazer stints longos com os pneus. É uma enorme, enorme pena que a nossa corrida tenha terminado como terminou. Mas estou também muito agradecido à Zytek Engineering por ter construído um carro tão forte que me salvou de ferimentos mais graves — felizmente, tenho apenas alguns escoriações e estou um pouco abalado.”

“Até ao acidente do Dolan, estava a ser uma performance dominante por parte da Jota Sport,” acrescentou Sam Hignett, co-proprietário da Jota Sport. “O Filipe pilotou de forma brilhante no primeiro turno da corria e o Simon, honestamente, fez a melhor corrida da sua vida — foi o melhor que já vi dele. Espero que todos os que estão ligados a este campeonato possam aprender com este incidente e que possamos todos trabalhar de forma a que eles sejam erradicados.”

Com a Jota fora da luta, a Race Performance assumiu o comando da prova. No entanto, com o pelotão de novo agrupado pelo período de bandeiras amarelas que se seguiu ao acidente de Dolan, e com o gentleman-driver da Race Performance, Michael Frey de novo ao volante, segurar a liderança não seria tarefa fácil quando logo atrás de si seguia Tristan Gommendy e Gary Hirsch, pilotos mais rápidos que Frey (sobretudo Gommendy), respectivamente nos Morgan Nissan #46 e #43 da TDS Racing e Morand Racing.

Assim que a corrida começou, faltavam então 20 minutos para o seu final, Gommendy e Hirsch colaram-se a Frey numa luta roda-a-roda até ao final. A cinco minutos da bandeira de xadrez, Frey não consegue mais resistir às investidas de Gommendy, em Copse, e perde o primeiro lugar. Hirsch tenta a sua sorte na entrada para a última volta, e os LMP2 da Race Performance e da Morand Racing ainda descrevem a primeira curva lado-a-lado. Frey consegue defender a sua posição e Hirsh acaba por ter de se contentar com o último lugar no pódio.

“Foi uma corrida muito emocionante onde tivemos de controlar sobretudo a velocidade e o tráfego, ” afirmou Xavier Combet, Team Manager da Thiriet by TDS Racing. “Não foi fácil gerir entre tanto carros com performances tão próximas. As distâncias abriam-se e fechavam-se muito depressa. Quero tirar o meu chapéu a todos os que cuidaram da nossa estratégia e também aos pilotos que conseguiram colocar o carro no sítio certo na altura certa.”

“Obtemos bons pontos para o campeonato, mas os problemas que tivemos nos treinos livres e na qualificação [NdR: duas saídas de pista] tornaram a corrida um pouco mais difícil,” afirmou Benoît Morand, co-prorietário e Team Manager da Morand Racing. “Tivemos ainda um problema com a antena do carro, que se quebrou a meio da prova, pelo que não pudemos comunicar no último stint do Gary. Mas o automobilismo é assim mesmo. O Romain Brandela foi a maior satisfação do fim-de-semana: fez uma grande turno, batalhou bem e aguentou a posição. Apesar de algumas dificuldades, mostrámos que temos o necessário para agora vencer em Imola.”

Na 4ª posição terminaria o Zytek Nissan #41 da Greaves Motorsport, com as cores da Caterham, com um gentleman-driver ao volante que é apenas um miúdo de 16 anos: Matt McMurry. O jovem piloto norte americano — que pretende bater o recorde de piloto mais novo a alinhar nas 24 Horas de Le Mans que data de 1959 (Ricardo Rodriguez, 17 anos e 126 dias) — fez uma prova fantástica não vacilando por um momento que fosse naquela que foi a sua estreia num protótipo LMP2. Com o alinhamento completado por Chris Dyson e Tom Kimber-Smith, seria este último aquele que esteve mais próximo de dar um pódio à equipa inglesa após o recomeço da prova a 20 minutos do final, mas apesar dos seus esforços, o Zytek não tinha a performance necessária para perseguir os Morgan da TDS e Morand e o Oreca da Race Performance, mas ainda assim acabria por "roubar" o 4º lugar à Signatech Alpine.

O Zytek Nissan #28 da Greaves Motorsport foi uma das estrelas nos momentos iniciais, fruto de uma performance excelente por parte de outra das revelações da corrida: James Littlejohn. Littlejohn havia arrancado da 8ª posição, e após a troca de pilotos na Jota Sport, acabaria por assumir a liderança da prova no seu segundo turno. Com Tony Wells e  James Walker a fazerem os turnos seguintes, o #28 acabaria no entanto por cair na classificação terminado no 6º lugar.

“Houve muitos pontos positivos a retirar de Silverstone.” afirmou Tim Greaves, Team Principal da Greaves Motorsport. “Uma corrida brilhante do Matt. Duas horas e vinte minutos, naquele que foi a sua primeira corrida a este nível, foi um grande desafio mas ele respondeu de forma brilhante, mostrando ritmo e muita maturidade. Simultaneamente, o James também esteve em grande ao assumir a liderança, adaptando-se muito bem à azafama de subir do meio da grelha até ao primeiro lugar. Talvez pudessemos ter ficado no pódio com um dos dois carros, mas as corridas são assim mesmo.”

Entre os dois carros da Greaves ficaram os Campeões ELMS que tiveram uma corrida muito apagada, repetindo o "feito" da sua corrida de estreia em 2013. A Signatech-Alpine teve grandes dificuldades em encontrar o melhor set-up para a pista inglesa, e os pneus Michelin também não facilitaram a vida à equipa francesa desgastando-se rapidamente ao longo da corrida. O 5º lugar de Paul-Loup Chatin, Oliver Webb e Nelson Panciatici acaba no entanto por ser um bom resultado apesar das dificuldades, e num campeonato com apenas cinco provas e tão equilibrado, todos os pontos conquistados são de ouro.

“Sabíamos que tínhamos muito trabalho para fazer o A450 funcionar com os pneus Michelin desenvolvidos para os novos regulamentos,” afirmou Philippe Sinault, Team Principal da Signatech-Alpine. “Os pilotos e toda a equipa fizeram um trabalho fantástico e estes importantes pontos conquistados devem-se a eles. A Alpine e a Michelin irão focar-se agora em desenvolver o carro de forma a estarmos na luta pelos lugares da frente em Imola. O campeonato este ano vai ser muito renhido, claramente, pelo que estes pontos são mesmo muito importantes.”

Na 7ª posição terminou o Oreca Nissan #24 da Sébastien Loeb Racing. Depois de ter deixado o LMP2 na garagem durante a temporada 2013, o regresso ao ELMS da equipa do múltiplo Campeão Mundial de Ralis revelou-se bastante difícil. Ao longo do fim-de-semana, o #24 esteve longe de revelar-se competitivo o suficiente para que a dupla Vincent Capillaire / Jan Charouz almejassem por lutar pelo menos pelo pódio. A falta de performance foi evidente e a equipa limitou-se a terminar a prova na melhor classificação possível.

“A equipa esteve muito bem nas paragens, e isso já foi positivo,” afirmou Léo Thomas, Director Técnico da Sébastien Loeb Racing. “Temos de ter em mente que este é um regresso para nós. Tivemos falta de performance e vamos analisar o porquê. No entanto, há experiência que foi ganha e muitos dados reunidos, o que é muito importante para as 24 Horas de Le Mans que se seguirão.”

Mas se a prova da Signatech-Alpine  foi uma desilusão e a da Sébastien Loeb Racing ficou aquém das expectativas, já o 8º lugar do Morgan Nissan #50 da Larbre Competition foi um verdadeiro milagre. A equipa francesa aventura-se pela primeira vez no universo dos protótipos após longos anos de sucesso nos GT's, mas o programa montado está longe de ser minimamente competitivo. Gustavo Yacaman, nem foi dos pilotos mais lentos ao longo do fim-de-semana, mas em conjunto com a piloto japonesa Keiko Ihara, foram uma autêntica chicane móvel ao longo do circuito de Silverstone. A equipa já confirmou que após Le Mans pretende alinhar nas restantes provas do WEC, mas assim... não vai lá.

Por fim, outro regresso. A Pegasus Racing regressou ao ELMS após o título LMPC de 2012, mas a sua corrida ficaria marcada por um erro de principiante. Jonathan Coleman, Niki Leutwiler e Julien Schell não tiveram uma prova fulgurante, e limitaram-se a ser melhores do que a chicane móvel da Larbre, mas quando a corrida levava já 2h30 de duração, o Morgan Nissan ficaria parado no meio do circuito por falta de combustível, o que ditou a desistência da equipa francesa.

© Daniel James Smith / Motorsport.com

© Daniel James Smith / Motorsport.com

GTE: AF Corse vence luta titânica com a SMP Racing

Se na LMP2 houve emoção até até ao fim, na classe GTE esta foi ainda mais evidente. AF Corse e SMP Racing não deram tréguas uma à outra durante as 4 horas de duração da prova de Silverstone, com a corrida também a ser discutida até ao último momento, e com ambos os Ferrari 458 Italia a ganharem a posição de liderança em pista, numa luta entre si ao longo da prova.

No final, acabaria por ser a situação de bandeiras amarelas criada pelo acidente de Simon Dolan a decidir o desfecho da classe. No arranque, o Ferrari #72 da equipa russa (assistida pela AF Corse), pilotado pela tripla Andrea Bertolini / Viktor Shaitar / Sergey Zlobin, acabaria por se envolver com o #54 da AF Corse então pilotado por Marco Ciocci num pequeno incidente, dando ao #55 da AF Corse, pilotado por Duncan Cameron, Michael Rugolo e Matt Griffin uma pequena vantagem que acabaria por se revelar essencial para o desfecho da prova. No terceiro posto terminaria o Porsche 911 GT3 RSR  #76 da IMSA Performance Matmut, pilotado por Raymond Narac, David Hallyday e pelo luso-descendente Nicolas Armindo, já a uma volta de distância.

© ELMS

© ELMS

GTC: Ucranianos levam a melhor sobre os Russos...

Numa altura em que politicamente ambos os países estão de costas voltadas e à beira de se envolverem militarmente, Ucrânia e Russia tiveram mais um motivo de tensão em Silverstone, com dois projectos desportivos (tirando os pilotos e o financiamento, de russo e de ucraniano a SMP Racing e a Team Ukraine nada mais têm) a degladiarem-se em pista pela vitória na ronda inaugural do ELMS em Silverstone. Ambos com o Ferrari 458 Italia em mãos, seria o #96 do Team Ukraine, pilotado por Andriy Kruglyk, Sergil Chukanov e Alessandro Per Guidi a levar a melhor.

A corrida começaria no entanto com o Mclaren MP4-12C #98 da ART Grand Prix a assumir a liderança nas primeiras voltas. Atrás de si, já o Ferrari #73 da SMP Racing, pilotado por Olivier Beretta, David Markosov e Anton Ladygin lutava com o #96 do Team Ukraine, e, após oito voltas, já ambos haviam relegado o Mclaren para a terceira posição. Tirando um pequeno período, após as primeiras paragens,em que o Porsche 911 GT3 R da Prospeed Competition esteve na frente da corrida, esta esteve sempre entregue àqueles dois Ferrari, com o Ferrari #60 da Formula Racing a seguir de perto a luta pela liderança, terminando no 3º posto.

ELMS / 4H Silverstone: Corrida

P.ºCl.N.EquipaChassis - MotorVoltasDif.
1.ºLMP246Thiriet by TDS RacingMorgan Nissan118(4h00:29.711s)
2.ºLMP234Race PerformanceOreca 03 Judd118+ 3.828s
3.ºLMP243Newblood by Morand RacingMorgan Judd118+ 4.731s
4.ºLMP241Greaves MotorsportZytek Z11SN Nissan118+ 14.388s
5.ºLMP236Signatech AlpineAlpine A450 Nissan118+ 55.068s
6.ºLMP228Greaves MotorsportZytek Z11SN Nissan118+ 1:00.569s
7.ºLMP224Sebastien Loeb RacingOreca 03 Nissan116+ 2 voltas
8.ºLMP248Murphy PrototypesOreca 03 Nissan112+ 6 voltas
9.ºGTE55AF CorseFerrari 458 Italia112+ 6 voltas
10.ºGTE72SMP RacingFerrari 458 Italia112+ 6 voltas
11.ºGTE76IMSA Performance MatmutPorsche 911 GT3 RSR111+ 7 voltas
12.ºLMP250Larbre CompetitionMorgan Judd111+ 7 voltas
13.ºGTE56AT RacingFerrari 458 Italia111+ 7 voltas
14.ºGTE66JMW MotorsportFerrari 458 Italia111+ 7 voltas
15.ºGTE54AF CorseFerrari 458 Italia110+ 8 voltas
16.ºGTE58Team Sofrev-ASPFerrari 458 Italia110+ 8 voltas
17.ºGTC96Team UkraineFerrari 458 Italia GT3109+ 9 voltas
18.ºGTC73SMP Racing Ferrari 458 Italia GT3109+ 9 voltas
19.ºGTC60Formula RacingFerrari 458 Italia GT3109+ 9 voltas
20.ºGTE82Crubile SportPorsche 911 GT3 RSR109+ 9 voltas
21.ºGTE86Gulf Racing UKPorsche 911 GT3 RSR109+ 9 voltas
22.ºGTE80Kessel RacingFerrari 458 Italia108+ 10 voltas
23.ºGTC78Team Russia by BarwellBMW Z4 GT3108+ 10 voltas
24.ºGTE85Gulf Racing UKAston Martin Vantage V8108+ 10 voltas
25.ºGTC99ART Grand PrixMcLaren MP4-12C GT3107+ 11 voltas
26.ºGTC51Sebastien Loeb RacingAudi R8 LMS ultra107+ 11 voltas
27.ºGTC98ART Grand PrixMcLaren MP4-12C GT3107+ 11 voltas
28.ºGTC93Pro GT by AlmerasPorsche 911 GT3 R107+ 11 voltas
29.ºGTC75Prospeed CompetitionPorsche 911 GT3 R107+ 11 voltas
30.ºGTC63AF CorseFerrari 458 Italia GT3106+ 12 voltas
31.ºGTE67IMSA Performance MatmutPorsche 911 GT3 RSR106+ 12 voltas
32.ºGTC59Team Sofrev-ASPFerrari 458 Italia GT3106+ 12 voltas
33.ºGTE81Kessel RacingFerrari 458 Italia104+ 14 voltas
24.ºGTC95AF CorseFerrari 458 Italia GT3102+ 16 voltas
35.ºGTC62AF CorseFerrari 458 Italia GT3102+ 16 voltas
Não Classificados
LMP238Jota Sport [Albuquerque]Zytek Z11SN Nissan97
LMP229Pegasus RacingMorgan Nissan74
Não Alinharam
GTC71SMP Racing Ferrari 458 Italia GT3